Ao considerar a água como tema transversal, as Ciências Sociais redimensionaram, entre as últimas décadas do século XX e a década atual, as suas problemáticas numa linha de investigação / reflexão / ação. Esta reconhece as técnicas da hidráulica tradicional, designadas como pequena e média hidráulica – pmh, - a sua gestão e a sua cultura material, em relação aos respetivos ecossistemas. O paradigma correspondente a esta nova cultura da água, enquanto visão sistémica das interações sociedade – meio ambiente, organizou-se em relação à gestão integrada da água, sendo esta suportada por uma memória histórica e de identidade coletiva, a qual deve ser reconhecida, nomeadamente pelos historiadores, através de duas áreas: a dos saberes tradicionais, analisada enquanto conceito dinâmico e a da própria gestão integrada como conceito evolutivo. Ao rés do solo, das leis da terra e/ou da água, das matrizes da cultura da água, o conhecimento define-se e redefine-se na longa duração de uma mestria